EM FOCO

O QUE ENTENDEMOS POR INTERNACIONALIZAÇÃO E
QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS AÇÕES PROPOSTAS:

A internacionalização é um processo que contribui não apenas para evidenciar a relevância e a contribuição do nosso campo, mas também para refletir as estratégias de posicionamento estratégico de cada programa. Sob esta perspectiva, a internacionalização é um processo, com diferentes estratégias (inbound/outbound) de pessoas, produtos, conteúdo de disciplinas, relações e redes ao invés de uma retórica padronizada.

A Anpad pode, simultaneamente:

  1. Reunir as melhores estratégias de impulsão internacional para cada perfil de programa, refletindo sua vocação e posicionamento;

  2. Coordenar grupos de trabalho para apoio nos processos de acreditação internacional, com fóruns de debates, troca de experiências e boas práticas de programas que conseguiram/buscam a acreditação internacional e associações internacionais da área;

  3. Apoiar a alocação dos nossos egressos no mercado internacional, via orientação direcionada sobre o processo de aplicação e não apenas divulgação de vagas;

  4. Organizar de números especiais da RAC, BAR, a partir de parcerias entre editores nacionais e internacionais;

  5. Promover sessões de desenvolvimento de working papers que agreguem pesquisadores nacionais e internacionais

  6. Estruturar os workshops pré-ENANPAD para colaboração com pesquisadores e associações internacionais;

  7. Oferecer cursos, presenciais ou à distância, em temas avançados, para alinhar a academia nacional com as melhores práticas no exterior;

  8. Apoiar e divulgar as parcerias já estabelecidas no âmbito das associações de pesquisadores do campo, estimulando canais de participação em coordenações e lideranças de áreas divisionais da ANPAD.

  9. Promover sessões de trabalho com editores convidados de revistas internacionais das áreas de administração, ao exemplo de boas práticas que já existem no campo.

COMO PENSAMOS NO AVANÇO DO CAMPO PELA AÇÃO COLETIVA?

A nossa proposta está estruturada em torno de um conjunto de produtos que buscam agregar valor aos programas associados, melhorando a qualidade do campo como um todo e ampliando a sua relevância social e o resgate do advocacy regulatório.

Propomos uma ANPAD que incentive uma dinâmica associativa que seja capaz de estruturar um conjunto de produtos inovadores com base na inteligência coletiva dos seus associados: pesquisadores e programas.

Para tal, recorreremos a grupos de trabalho, compostos por associados individuais e membros dos programas associados, que se articulem em torno de produtos novos, revisem produtos e ações existentes, promovam colaboração e apoio aos programas de diferentes modalidades e conceitos e impulsem temas prioritários.

Esses grupos de trabalho terão função tanto consultiva quanto propositiva, atuando em importantes pontos de nossa proposta:

  • Proposição de ações concretas de consolidação de parcerias entre programas e superação dos desafios impostos pelo cenário pós-pandemia;

  • Participação no planejamento das pesquisas de acompanhamento de egressos e diagnóstico do macroambiente organizacional, propostas do nosso eixo de inteligência de campo;

  • Elaboração de uma agenda de ações sobre estratégias metodológicas do ensino de pós-graduação;

  • Definição dos temas transversais anuais a serem utilizados como balizadores para as iniciativas da associação, incluindo os EnANPADs;

  • Conselho editorial para a condução do portal de publicação de artigos de opinião.

Consideramos essa abordagem crucial para a materialização da governança compartilhada que propomos, bem como para incentivar o processo de construção coletiva necessário para a inovação.

COMO PRETENDEMOS ABORDAR OS DESAFIOS
DO ENSINO DA PÓS-GRADUAÇÃO?

As mudanças sociais, culturais, econômicas e tecnológicas que têm marcado a última década vêm apresentando desafios para o ensino de pós-graduação. Entendemos que seja premente uma ampla discussão de reavaliação das metodologias adotadas, com vistas a uma maior acessibilidade à pós-graduação e ao aprimoramento da formação dos nossos discentes.

Dentre esses desafios, vislumbramos alguns pontos a serem pautados:

  • O papel do Ensino a Distância (EaD) na pós-graduação é uma realidade que já vinha se delineando e que se tornou assunto fundamental a partir do contexto do atual cenário de pandemia;

  • O crescimento e a amplitude dos cursos profissionais requerem que diferentes metodologias de ensino que se alinhem às modalidades de formação sejam consideradas;

  • A ênfase sobre a relevância social da pós-graduação indica a necessidade de se colocar em foco a vocação dos programas e, consequentemente, as peculiaridades desse delineamento na formação dos quadros de pós-graduação.

Planejamos uma ampla consulta à comunidade, com formação de grupos de trabalho, que norteará a realização de painéis temáticos nos eventos da associação e difundirá estratégias metodológicas de ensino de pós-graduação. Além disto, avaliaremos a viabilidade de ofertar cursos e seminários a associados por meio de plataformas digitais.

QUAL É A NOSSA PERSPECTIVA SOBRE OS
PROGRAMAS DE MESTRADO E DOUTORADO PROFISSIONAL?

Os programas profissionais foram das inovações mais importantes dos últimos anos para aproximar a academia da sociedade. Entretanto, estes ainda estão em processos de consolidação de uma identidade própria, diferenciando-se dos programas acadêmicos do campo.

A nossa proposta delineia um conjunto de ações voltadas para a consolidação dos programas profissionais:

  1. Pesquisas estruturadas junto ao mercado, ao setor publico e ao terceiro setor que busquem identificar nível de conhecimento e expectativas acerca dos mestrados profissionais e possam ajudar os programas a estruturarem produtos finais que se diferenciem dos programas acadêmicos.

  2. Benchmarking de programas profissionais bem-sucedidos não apenas dentro da área de administração, mas fora do nosso campo, ampliando espaços para colaboração entre programas.

  3. Adaptação ao perfil de competências profissionais e flexibilização na aplicação do Teste ANPAD;

  4. Apoio dirigido na oferta de talentos com nível de mestrado e doutorado para vagas nas indústrias, laboratórios de tecnologia e organizações de diversos setores, valorizando especialmente os programas profissionais como promotores de carreira;

  5. Inovação nos eventos divisionais, estabelecendo parcerias com outras associações e abrindo espaço apresentar produtos de programas profissionais.

É a nossa premissa que com diagnósticos mais precisos do campo e maior conhecimento das demandas sociais, poderemos promover discussões aprofundadas respeitando as singularidades dos programas da área e incentivar os programas a se reposicionarem estrategicamente, redimensionando agendas de pesquisa, produções tecnológicas e talentos formados.